(11) 4013 2338 | (11) 99236 1445

clinica@landsman.com.br

Logo da clínica Lands Man

ARTIGOS COM DICAS
E CUIDADOS PRA VOCÊ

Nutrição & Qualidade de Vida

 

Ter qualidade de vida é mais do que ter uma boa saúde física ou mental. 


É estar de bem com você mesmo, com a vida, com as pessoas queridas; enfim, sentir-se em equilíbrio.

 

Isso pressupõe muitas coisas:


Hábitos saudáveis, cuidados com o corpo, atenção para a qualidade dos seus relacionamentos, balanço entre vida pessoal e profissional, tempo para lazer, saúde espiritual etc.
 
Ser competente na gestão da própria saúde e estilo de vida deveria fazer parte das prioridades de todos.


O objetivo dos programas de qualidade de vida é contribuir, por meio de orientação e estímulo, para a conscientização da importância de se melhorar os hábitos nas áreas de saúde, nutrição, atividades físicas, cultura, lazer e ações sociais.

 

Dieta e o processo de envelhecimento
 
O prolongamento do tempo de vida quando se promove restrição alimentar após o desmame foi descrita inicialmente em 1917, e este fato tem sido observado em diversas espécies animais, mais recentemente pesquisado também em primatas. Várias modelos de restrição dietética com limitação variável na quantidade de calorias e/ou proteinas têm-se mostrado efetivas na longevidade e na qualidade de vida.

 

Para que se possa imaginar o significado disso, um desses estudos mostrou diferenças raciais no envelhecimento renal e hepático entre  caucasianos e japoneses; os japoneses apresentaram maior quantidade de alterações celulares/ teciduais. A explicação aceita para este fato é a de que uma dieta relativamente hipoprotéica consumida pelos japoneses seria responsável pelo desenvolvimento mais tardio e o envelhecimento mais lento.

 

Além de prolongar o tempo de vida médio e máximo, observa-se que em animais as intervenções nutricionais retardam o processo de envelhecimento e mantém estáveis as funções dos órgãos.

 

Os mecanismos que fazem a alimentação interferir desta forma na longevidade e na qualidade de vida permanecem não esclarecidos. Há especulações apenas. Nada se sabe com absoluta certeza.


A restrição alimentar parece ter efeitos opostos dependendo da fase da vida em que é instituída. A subnutrição na infância e juventude associa-se ao envelhecimento mais precoce e com a diminuição do tempo de vida, enquanto que a restrição alimentar em períodos mais tardios da vida é benéfica.


O vocábulo dieta deriva do grego díaita, que significa modo, estilo de vida. 
 
Desta forma, conceitualmente uma dieta adequada abrange diversos aspectos da vida cotidiana, ou seja hábitos de vida:
 
- ingestão alimentar adequada 
- exercícios físicos regulares não extenuantes 
- tempo adequado para lazer 
- numero de horas e qualidade de sono 
- atividade sexual 
- saúde mental 
 
Num sentido mais restrito, a dieta seria  comer e beber de acordo com um sistema regulador, visando preencher as necessidades específicas de um indivíduo, incluindo ou excluindo certos ítens de sua alimentação, além de mudanças na freqüência de consumo e consistência dos alimentos.


Em sentido mais amplo, o termo dieta se refere:


*à comida e bebida consumidos regularmente na alimentação diária; 


*tipo e quantidade de alimentos prescritos para uma pessoa ou animal, especialmente quando prescritos por razões médicas.


Entre leigos, o termo dieta geralmente é associado a mudança do hábitos alimentares objetivando a perda de peso.

 

Mas a abrangência da indicação de dietas específicas vai muito além disso:

 

* no controle das doenças metabólicas, como por exemplo o diabetes mellitus, a hipercolesterolemia e a gota (elevação dos níveis de acido úrico no sangue);
 
* por modismos, tendo por exemplo :
        - dietas ricas em proteínas/ aminoácidos utilizadas por atletas para aumentar a massa e a força muscular bem como o rendimento físico em competições;


        - suplementação com nutrientes chamados anti-oxidantes. Eles agem na neutralização dos radicais livres (que são formados a todo instante em diversas situações: nas reações celulares, por ação da radiação ultra-violeta, pelo tabaco, pelo uso de drogas lícitas ou não, pelo stress físico ou mental e tantas outras situações do dia-a-dia. Desta forma, procura-se melhorar a qualidade do envelhecimento orgânico como um todo.
 
* questões relacionadas com aspectos ético-filosóficos como no caso do vegetarianismo.


O guia alimentar da pirâmide

 

O guia da pirâmide alimentar (Food Guide Pyramid) foi proposto como um roteiro geral da alimentação saudável para a população adulta dos Estados Unidos. Não é uma prescrição dietética rígida mas um guia geral que permite a escolha de uma dieta mais saudável. O guia da pirâmide sugere a ingestão de grande variedade de alimentos para a obtenção dos nutrientes básicos necessários, ao mesmo tempo em que se obtém a quantidade correta de calorias (energia) para manutenção do peso corporal adequado.

 

O guia da pirâmide alimentar para os norte-americanos baseia-se no consumo diário de alimentos em qualidade e quantidades específicas. Na base da pirâmide estão os alimentos que devem ser ingeridos mais vezes e em maior número de porções. Na ponta da pirâmide estão os alimentos que devem ser evitados ou ingeridos com moderação.

 

O guia da pirâmide organiza os alimentos em cinco grupos e orienta sobre três diretrizes essenciais:   

 

1. Proporcionalidade, ou seja a quantidade apropriada de alimentos a ser escolhida de cada grupo;

 

2. Variedade, isto é, deve-se comer alimentos variados de cada grupo todos os dias e;

 

3. Moderação no consumo de óleos, gorduras e doces.
 
A Pirâmide Alimentar
 
1. GORDURAS E ÓLEOS:


Use-os moderadamente. É difícil retirar algumas gorduras presentes naturalmente nos alimentos, por isso se deve usar o mínimo possível no preparo dos mesmos. Use azeite de oliva, óleo de canola, milho, girassol, soja, margarina light; evite banha, manteiga, creme de leite e maionese.
 
2. PROTEÍNAS (2-3 porções):


Peixes, carnes, aves, feijões e ovos fornecem proteínas, vitaminas do complexo B, ferro e zinco. Para reduzir as gorduras, dê preferência às carnes magras, aves sem pele, peixes de água salgada, feijões ou outras leguminosas como lentilha, ervilha seca, grão de bico.


1 Porção = 1 posta média de peixe ou 1 coxa e sobrecoxa de frango ou 1 peito pequeno ou 1bife médio ou meia xícara de feijão (ou outra leguminosa) cozido ou 1 ovo (nao consumir mais que três unidades na semana e usa-los cozidos ou pochê).
 
3. LATICÍNIOS (2-3 porções):


Leite, iogurte e queijo sao boas fontes de proteínas, vitaminas e minerais e são a melhor fonte de cálcio.


1 Porção = 1 xícara de leite ou 2 fatias finas de queijo (de preferência com baixo teor de gordura) ou 1 pote de iogurte.
 
4. FRUTAS (2-4 porções):


São excelentes fontes de vitamina A e C, ácido fólico e potássio; se consumidos (quando possível) com casca e / ou bagaço, também fornecerão alto teor de fibras. Os sucos de frutas naturais não são indicados, por conterem grande quantidade de frutose, que é rapidamente absorvida. Podem ser usados sucos naturais de maracujá ou limão bem diluídos, com ou sem adoçantes.


 1 Porção = 1 unidade ou 1 fatia média (usar pelo menos uma fruta cítrica ao dia).
 
5. VERDURAS E LEGUMES (3-5 porções):


 Excelentes fontes de vitaminas, minerais e fibras, as verduras e legumes também tem baixo teor de gordura. Consumir verduras e legumes de cores variadas, crus e cozidos.


1 Porção = 1 xícara de hortaliças folhosas; meia xícara de legumes picados.
 
6. PÃES, CEREAIS, ARROZ E MASSAS (6-11 porções):


 Essas fontes abundantes de carboidratos complexos, fibras e minerais fornecem a maior parte de calorias diárias.


1 Porção = 1 fatia de pão ou meio pão francês ou 2 bolachas d´água ou meia xícara de cereal cozido (arroz, massa, farinha de mandioca) ou 1 panqueca ou 1 batata.

 

*SAL: deve ser usado moderadamente: 1 colher rasa (café)

 

*ÁLCOOL: não é indicado, porém, sob orientação médica, poderá ser consumido, se não houver taxas de triglicerídeos altas e se houver obesidade.

 

*ADOÇANTES ARTIFICIAIS: preferir os adoçantes à base de aspartame, sacarina, ciclamatos, que não são calóricos, dependendo do veículo a que estão ligados. Aspartame perde o poder de adoçar se for ao fogo.

 

*PRODUTOS DIETÉTICOS: possuem calorias, portanto não devem ser consumidos livremente. Não confundir diet (com menos calorias e sem açúcar) com light (com baixas calorias, podendo ou nao ter açúcar na composição). Deve-se ler o rótulo dos produtos antes de consumi-los.

 

*DOCES NÃO DIETÉTICOS: como chocolates, sorvetes, geléias, balas, mel e outros nao devem ser utilizados. Só os utilize sob orientação do nutricionista ou médico.

 

*FIBRAS: porção dos alimentos de origem vegetal que não é digerida. Retardam a absorção da glicose dos alimentos. Reduzem o colesterol. Melhoram o funcionamento intestinal.

 

*ÁGUA: cerca de 2 litros por dia.

Acompanhe nas redes sociais